segunda-feira, dezembro 26, 2005

Amigos...

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram
alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.Se todos eles morrerem, eu desabo!Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!A gente não faz amigos, reconhece-os."

Vinícius de Morais

quinta-feira, dezembro 22, 2005

Natal

O menino Jesus nasceu, uma estrela cadente rasgou os ceus e tres Reis fizeram uma viagem.
Na Lapónia uma maluco qualquer pegou em meia dúzia de renas e po-las a puxar um trenó cheio de supostas prendas para os meninos que se portaram bem durante o ano.
A Cola-Cola (eu não gosto de fazer publicidade gratuita) pegou neste gajo da Lapónia e vestiu-lhe um fato vermelho, engordou-o e fez-lhe umas expressões velhas com barba e cabelo branco.
Os comerciantes aproveitam e fazem apelo ao nosso lado sentimentalista e generoso para aumentarem as vendas nesta época.
Mas apesar desta artificialidade toda, eu não posso deixar de gostar do Natal, as cores que enfeitam jardins e ruas, a boa disposição das pessoas (meu chefe não incluido), o brilho nos olhos das crianças ao abrirem as prendas. Eu gosto mesmo do Natal.

Como tal aqui ficam os meus votos de um bom Natal a todos os que leiam este Post, que desfrutem desta época num ambiente de paz e fraternidade e junto das pessoas que vos são mais queridas.

Feliz Natal
Merry Christmas
圣诞快乐
Vrolijke Kerstmis
Joyeux Noël
Frohe Weihnachten
Καλά Χριστούγεννα
Buon Natale
メリークリスマス
Веселое Рождество
Feliz Navidad

terça-feira, dezembro 13, 2005

Um pedido de Ajuda

bem, este post é direcionado para alguem que trabalhe ou que conheça alguem conhecido na TVI, isto porque? Muito simples, porque pobre da minha mãe já não dorme descansada vai já para mais de 15 dias, é que desde o inicio do m~es de Dezembro que ela espera pelo fim da novela do Ninguem como tu, voçes não imaginam os nervos que a minha mãe querida tem à custa de querer saber quem foi o desgraçado ou desgraçada que matou o António, todas as noites após acabar o episódio ( que neste momento está reduzido a cerca de 10 minutos) entra dentro do meu quarto, lavada em lagrimas exclamando " ainda não acabou!!!" Por isso peço aqui a vossa ajuda, se souberem quem foi que matou o António por favor escrevam aqui, para eu poder dizer à minha mãe. É que ela precisa de descansar e já anda com umas olheiras que metem medo...

segunda-feira, dezembro 12, 2005

Vamos lá esclarecer uma coisa

Muita gente diz que eu quando vou á casa de banho não lavo as mãos, isso é mentira, o que se passa é que eu efectivamente depois de urinar saio da casa de banho e não lavo as mão, e isto porque eu antes de pegar no meu instrumento as lavo cuidadosamente. Isto pq se um gajo de manhã toma banho e depois enfia o dito instrumento dentro de umas cuecas ou boxers, e ai ele passa o resto dia, abrigado de vento/chuva/pó/etc, as mão têm é de ser lavadas antes de um gajo urinar. E se eu consigo deter controlo (atenção que há quem não o tenha, eu sei, principalmente se for a primeira descarga do dia, mas tb não é o meu caso) do jacto que é "disparado" não atingindo qualquer parte das minhas mãos, não faz sentido nenhum lava-las depois. Por exemplo: um gajo trabalha numa secretária num escritório, mexe em coisas como o teclado, uma caneta ou um rato, tudo coisas que passam os dias a acumular pó, anda nos transportes públicos e agarra-se nas pegas onde 1001 pessoas se agarram e para depois ir urinar com as mão todas imundas...tudo menos isso!
E faço aqui um apelo, lavem as mão antes de urinar, depois só se algum salpico descontrolado ao sacudir saltou para as mãos (mas isto depois de se casar deixa de acontecer, sim, pq os casados não sacodem, espremem suavemente, para poupar os ouvidos quando a mulher vai ao WC a seguir...) é que vale a pena lavar outra vez as mãos. Vamos andar com os nossos instrumentos mais limpos

sexta-feira, dezembro 02, 2005

Mais uns espasmos de inspiração...

E como obtive um grande sucesso com o meu primeiro poema publicado, eis que vos presenteio com mais dois, desta vez enquadrados nesta época Natalicia que estamos a viver, eu sei que depois de publicar este post vou ter de marcar uma sessão de autografos numa qualquer Livraria de renome internacional, eu sei, eu sei que é dificil subir os degraus da fama, eu sei que tenho de ser humilde, mas a elevada qualidade, subtil e extraordinária classe dos meus poemas não me deixa pensar de outra forma, e aqui vai, em exclusivo no já pensaste nisto, mais dois poemas de minha autoria:

Estamos em Dezembro,
O mês do natal
Vamos pelas lojas dentro
Muitas prendas complal

Há quem brinque na neve nu
Branca e fria que está
E quem fizer sku
Com rabo de banuino ficará


Ficaram sem palavras, não foi...eu sei!!!